sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Velho Mestre

 

 É mortal este agosto - o seu ardor
sobe os degraus todos da noite,
não me deixa dormir.
Abro o livro sempre à mão
na súplica de Príamo - mas quando
o impetuoso Aquiles ordena ao velho
rei que não lhe atormente mais
o coração, paro de ler.
A manhã tardava. Como dormir
à sombra atormentada
de um velho no limiar da morte?,
ou com as lágrimas de Aquiles,
na alma, pelo amigo
a quem dera há pouco sepultura?
Como dormir às portas da velhice
com esse peso sobre o coração?

Eugénio de Andrade

Sem comentários:

Enviar um comentário